Destino: Portugal — As escolhas de Filipe Morato Gomes — Via Verde
Descobrir Portugal
Alma da Viajante Filipe Morato Gomes
Artigo
  • Natureza e Ar Livre
  • Sol e Praia
  • História e Cultura

Destino: Portugal — As escolhas de Filipe Morato Gomes

Se há quem conheça Portugal de ponta a ponta, esse alguém é Filipe Morato Gomes. O viajante e presidente da Associação de Bloggers de Viagem Portugueses revela as suas memórias de infância e sugere destinos incríveis para conhecer em território nacional.

24 de agosto 2020
Filipe Morato Gomes é um livro aberto de viagens por Portugal. Aquele que é um dos bloggers mais conhecidos do país, conta com milhares de quilómetros percorridos, bem como memórias que mostram muitas vezes um território nacional menos explorado.
O autor do blog “Alma de Viajante” e presidente da Associação de Bloggers de Viagem Portugueses, lembra com carinho a infância passada ‘a bordo de um velhinho VW “Carocha”’, na companhia dos pais, por entre destinos que o marcaram até aos dias de hoje.
Conta também a admiração que tem pelo litoral português e o fascínio que nutre pelo arquipélago dos Açores e, em especial, pela Ilha de São Jorge. O nordeste transmontano foi a sua última paragem, de onde partilhou connosco esta conversa.

Soajo

1. Onde passava férias na infância? Quais as melhores memórias que tem desse lugar?

Felizmente, desde miúdo que, em cada verão, fazia com os meus pais um roteiro em Portugal diferente. Percorri, pois, o país todo, ao longo de muitos anos e quase sempre a bordo de um velhinho VW “Carocha”, regressando a vários daqueles locais que nos eram mais queridos. Um deles é o Soajo, onde acampei durante muitas férias de verão.
Tive, recentemente, a oportunidade de visitar o Soajo tantos anos volvidos, e a verdade é que as memórias voltaram sem aviso: “Lembro-me bem das coisas simples, aquelas que ficaram desde os tempos da adolescência a acampar na região. As idas matinais à padaria; o cheiro a bagaço que voava das chávenas de café dos adultos; o campismo em Travanca e os mergulhos nas águas geladas das Lagoas de Travanca; as caminhadas guiadas por cartas militares na Serra do Soajo; os javalis que costumavam andar pela Porta do Mezio; as brincadeiras juvenis nos espigueiros do Soajo; a drogaria junto ao pelourinho; as idas ao Santuário de Nossa Senhora da Peneda, a Lindoso, aos caramelos de Arcos de Valdevez e até à vizinha Espanha.” - escrevi na altura.
O Soajo é, para mim, esse conjunto de memórias. E recomendo vivamente!
 

2. Das praias portuguesas, quais as favoritas e porquê?

Não faltam praias bonitas de norte a sul, mas tenho uma predileção especial pelas praias do Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano. Entre elas, há uma a que chamei a praia mais bonita de Portugal, com toda a subjetividade que tal afirmação acarreta: chama-se Praia da Carriagem e fica nas proximidades de Rogil, no concelho de Aljezur. Felizmente para o nosso país, poderia enumerar muitas outras praias no lugar da Carriagem, já que Portugal tem, na minha opinião, uma das linhas de costa mais belas da Europa. Principalmente no Alentejo e Algarve.
 

3. Se tivesse que sugerir um destino para passar férias no nosso país, qual seria e porquê?

Sem dúvida, os Açores. São, para mim, um lugar mágico e provavelmente o território mais completo, diversificado e fascinante que conheço em Portugal. Tenho uma predileção pela ilha de São Jorge, especialmente a remota Fajã da Caldeira de Santo Cristo – pela qual tenho uma admiração difícil de explicar -, mas, do Pico às Flores, passando por São Miguel ou Terceira, todas as ilhas do arquipélago têm o seu encanto. Pela minha parte, só tenho pena de ainda não conhecer todas as ilhas - mas já faltou mais.

4. Se tivesse que convidar alguém a visitar o local onde vive (ou onde nasceu), que coisas destacaria?

Nasci no Porto e, assim sendo, não faltam atrativos para os visitantes. Coisas como o Salão Árabe do Palácio da Bolsa ou o que resta da Muralha Fernandina devem estar no topo da lista de lugares a conhecer, mas o melhor da cidade é mesmo deixar-se perder pelas ruelas do centro histórico, incluindo toda a zona que vai da Sé até à Ribeira, não esquecendo os Guindais. Para terminar, nada como comer um bom peixe em Matosinhos, onde atualmente resido.
Uma vez que a pandemia retirou o excesso de turistas das ruas da cidade, o momento ideal para a redescobrir é… agora.
 

5. Qual é o próximo destino (férias ou escapadinha) em Portugal?

Tenho andado a explorar o interior norte do país, incluindo o nordeste transmontano, e é muito provavelmente para lá que voltarei a viajar muito em breve. Tenho também agendada uma visita aos Passadiços do Paiva, em Arouca, mas confesso que, nesta altura, faço poucos planos.
Fotografias: © Alma de Viajante / Filipe Morato Gomes

Sugestões relacionadas